17/12/2019 às 08h54min - Atualizada em 17/12/2019 às 08h54min

Câmara de Carangola discute novamente empréstimo de R$ 13 milhões à Prefeitura

JORNALDOVALE
A Câmara de Carangola pode decidir na reunião desta noite (17) o PL 098/2019 que autoriza a Prefeitura de Carangola que requer um empréstimo de R$ 13 milhões na Caixa Econômica Federal. Do montante, está previsto R$ 4,5 milhões para asfaltamento da estrada principal do Distrito de Conceição.
 

O vereador Pastor Matuzael, disse que está admirado como as ações do Executivo. Segundo ele, em conversas com munícipes, empresários e moradores deu pra notar o desmazelo com o Município e a insatisfação que tomou conta da cidade, lamenta. Para ele, a população paga por serviços que não são oferecidos com qualidade. “O que nós observamos hoje é o endividamento do Município. Se tudo caminhar desse jeito, o próximo gestor não poderá fazer nada”. O vereador até recordou de uma música regravada por Gal Costa nos anos 80 que dizia: “Onde está o dinheiro?”. Crianças estão comendo canjiquinha nas escolas, quando tem", queixa-se Matuzael.

 
O vereador Thulio Imbelloni falou da dificuldade de ser vereador diante da atual administração. “O cidadão saiu de sua casa no dia 03 de outubro de 2016 de sua casa para confiar a nós legisladores, espera de nós vereadores sempre a verdade. Se o projeto for aprovado. Poderemos estar assinando um cheque em branco para o Executivo”.
 
O vereador Doca Fernandes cobrou do prefeito Paulo Pettersen mais transparência nas ações do Executivo. O vereador Doca Fernandes (MDB) disse que somente votaria favorável após uma consulta popular. Ontem, Doca disse que esse empréstimo vem para fazer obras eleitoreiras. Ele disse que a cidade passa por um momento de enormes dificuldades, na saúde, com falta de medicamentos e na limpeza urbana. Doca cobrou do secretário de obras, Luiz Andrade, que estava presente na reunião, a prestação de contas de R$ 400 mil do último empréstimo. Luiz não soube informar. O secretário disse que somente o ex-secretário de administração, Benedito de Sá (Bené) poderia informar a destinação da parte de recurso. Doca disse que esteve em Espera Feliz e não vê as praças lotadas de pessoas tomando cachaça como aqui em Carangola.  
 
O vereador Edimar Grossi disse que a proposta é um “gato por lebre”. Segundo ele o Executivo não informa corretamente a população como vai aplicado o recurso. Já o vereador Rodrigo Enfermeiro pediu a planilha detalhada da aplicação dos recursos e Parecer Jurídico do projeto.   

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »